quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Ainda sobre o prêmio da Funarte

O PRODUTO DO PROCESSO EM PROCESSO

O projeto que enviamos e foi aprovado pela Funarte se refere à publicação de um livro e à edição de um documentário. Nesta e nas próximas postagens divulgaremos por onde pretendemos ir para construir esta nova etapa do trabalho. Vamos lá...

Publicar 500 exemplares de um livro de imagens e textos, é a proposta. Acompanhará o livro, na forma de encarte, um documentário realizado em HDV. A proposta é editar um livro com papel adequado à impressão de fotos, boa encadernação, uma programação visual atraente e uma diagramação criativa e bem cuidada, onde conteúdo e forma se complementem.

A idéia é que a publicação seja dividida em duas partes sem hierarquias, uma mais analítica e outra mais poética. A montagem será feita de tal forma que se poderá iniciar a leitura pela parte poética ou pela parte analítica. Caso a leitura seja iniciada pela parte mais analítica ela termina na parte mais poética e vice versa. Não há contra capas, somente capas. Mesmo na parte que se pretende mais analítica se terá a preocupação de não elaborar textos demasiadamente complicados, de difícil compreensão e que dificultam a apreciação de um público mais amplo, não acostumado com os discursos muitas vezes herméticos da academia

Os textos do livro fundamentalmente visam, por um lado, analisar como e porque jovens de classe média urbana de Londrina, importante cidade no sul do país, usam elementos das artes tradicionais do nordeste nos seus processos de produção artística e, por outro lado, buscam identificar e analisar as percepções de mestres da cultura popular do Maranhão e de Pernambuco sobre o uso de sua cultura na criação artística de outros segmentos sócio-culturais.

Abaixo segue aprimeira versão do programa do livro Primeira parte (Mais analítica)

Obs.: as versões aqui apresentadas ainda têm um estilo muito acadêmico. As versões finais terão textos mais fluidos, informais, para que possam ser apreciados pelo público em geral. Como programa/roteiro estes textos somente explicitam as bases teóricas que serão usadas e as questões centrais, que a princípio serão abordadas. Não são textos conclusivos.

1 – Introdução
2 - Porque apoiar as artes de matriz tradicional
3 - Diálogos de jovens artistas com as artes tradicionais
3.1 - Percepções sobre o papel do Estado em relação às artes tradicionais
3.2 - Formas de legitimação na relação entre campos artísticos
3.3 - Processos de trocas e idéias de autenticidade
4 – Conclusões
5 - Referencias

Segunda parte (Mais poética) A segunda parte será composta de fotografias, desenhos e textos mais poéticos. Os textos terão como base as impressões cotidianas dos três investigadores durantes as viagens para o trabalho de campo, podendo variar entre pequenas crônicas e poemas.

Nas próximas postagens apresentaremos as versões provisórias da introdução e os roteiros dos demais textos da primeira parte (exceto as conclusões).

Um abraço, Piau

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Fala sério, meu. Eu não sabia que jovens artistas de Londrina usavam nas suas artes, materiais ou referências do Maranhão e de Recife. Vocês já escreveram o trabalho? já chegaram às conclusões ou ainda estão pesquisando. Posso saber quais foram as hipóteses levantadas?
    Um abraço e felicidades no seu empreendimento.

    ResponderExcluir